compartilhe

Suicídio juvenil: mais de 800 mil pessoas morrem por suicídio todo ano, adolescentes e jovens são as principais vítimas

Por Valéria Ribeiro - Publicado em 09/04/19


Na nova geração de adolescentes e jovens, o suicídio é um tema que tomou conta do cotidiano desde filmes, séries e o pior, na própria vida. Como em casos recentes, quando fomos tomados de dor pelo conhecimento de mais uma menina de 17 anos que tirou a própria a vida. De acordo com pesquisa realizada pela Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada 40 segundos uma morte é registrada por suicídio. Com isso, após a trágica notícia e estatística, diversos questionamentos são levantados, como:

  • O que leva um adolescente com inúmeras possibilidades fazer isso com sua vida?
  • Que dor é essa que nem pais, nem psicólogos ou psiquiatras estão dando conta de resolver?
  • O que fazer para ajudar?
  • Estamos fazendo algo errado para esta geração?
  • A culpa é da tecnologia?
  • Seria dos pais?
  • Seriam essas relações líquidas?
  • Seria a falta de pertencimento?
  • É a pressão do vestibular?
  • Será que só conseguimos perceber essa dor quando esse jovem atenta contra a própria vida?

São muitas as perguntas e nenhuma resposta. Os adolescentes e jovens se veem perdidos em meio a um mundo de mudanças muito rápidas, onde não se pode perder nenhuma novidade e acompanhá-las em tempo real é algo que tem exigido muito desses seres que ainda estão em formação física, emocional e neuronal. Isto é, em meio a um cenário tecnológico, os jovens são obrigados a serem de formas diferentes a que eles querem na realidade.

Leia mais: Atenção ao comportamento Infantil é chave para descoberta do bullying

Os adolescentes tem muitas opções na vida, e o suicídio passou a ser uma opção também. É a opção para se curar de uma dor que nós, adultos, não estamos conseguindo acessar e nem ajudá-los. A opção do suicídio é uma realidade na sociedade e, com isso, as conversas entre pais e filhos é reduzida ao nada.

O problema não é somente dos responsáveis pelo adolescente, mas de toda a sociedade. Isso se torna uma dor na sociedade, pois está se tornando um problema social, onde a solução não passará somente pelos consultórios de psicólogos e psiquiatras, mas pelo pátio da escola, nas salas de aulas, nas mesas de refeição em casa e no almoço na casa da avó.

Para ajudar no diálogo entre os pais e o adolescente, seguem dicas de como é possível realizar uma conversa franca e sensata:

  • Eles precisam ser ouvidos. Ouvir significa deixarmos de lado nossos preconceitos, crenças e mesmo aquilo que vivemos, pois os tempos mudaram.
  • Precisamos dar voz a esses que sofrem, sem dizer que isso é errado, ou frescura, ou que você é fraco ou “no meu tempo…”. A dor é real e eles estão usando um mecanismo definitivo para se livrar de uma dor temporária.
  • Não invalidem nem desqualifiquem a dor de seu filho, ele pode estar pedindo socorro.

Alguns, apesar de estarem sofrendo, se revestem de uma couraça na qual não transpomos e não acessamos, o que piora mais ainda, pois o tratamento pode não chegar para esse adolescente. Isto é, o jovem não revela o sofrimento, nem a causa dela, por isso a atenção e o carinho sem preconceito é fundamental para ajudar na fase em que está passando.

Além de estar atento, outros fatores devem estar em alerta: reconheça a dor, a angústia, a ansiedade, os medos e as inseguranças que o filho possa ter e, principalmente, se coloque como uma pessoa que ele possa confiar e contar. Diga que você o ama, independente de quem ele seja ou será, e que ele pertence ao principal grupo da sociedade e à família, não somente ser o pai ou a mãe, mas ser o melhor amigo.

Sobre Valéria Ribeiro:
Palestrante, Terapeuta e Coach Familiar, especializada em Terapia Familiar Sistêmica e Fundadora do Filhosofia
Telefone: (12) 99121-9615
Quer receber mais artigos como esse? Cadastre-se e receba nossas novidades em seu e-mail!
Sobre Valéria Ribeiro:
Palestrante, Terapeuta e Coach Familiar, especializada em Terapia Familiar Sistêmica e Fundadora do Filhosofia
Telefone: (12) 99121-9615
Compartilhar:
Atenção: Todas as informações são de responsabilidade dos organizadores do evento e estão sujeitas a modificações sem prévio aviso. As informações foram checadas pela equipe de reportagem do São Paulo para crianças em Abril de 2019. Antes de sair de casa, confirme os dados com o destino, para evitar imprevistos

Crédito das imagens: Divulgacão

Quer falar diretamente com seu público-alvo?
Anuncie aqui!
Nossos canais:
® São Paulo para Crianças é uma marca registrada. Todos os direitos reservados. - desenvolvido por Ideia74
Cadastre-se para ficar por dentro das novidades!