compartilhe

Por que brincar é tão importante para o desenvolvimento das crianças?

Por Lúcia Maria Roberto - publicado em 14/11/2018

O período de férias das crianças está chegando, com isso já começa a preocupação dos pais do que fazer para preencher este espaço da escola… Cursos de Férias? Avôs? Tios? Babá? A resposta é simples: BRINCAR, férias para criança é sinônimo de brincar, é o período que elas têm para usufruir desta atividade com mais liberdade e não pense que é tempo desperdiçado, pelo contrário é alimento para a criatividade e o aprendizado.

E brincar é muito bom, quem teve o privilégio (sim, privilégio) de correr na rua brincando de pega-pega, de pular corda e pular de duas cordas então?! (desafio ainda maior), de queimada, andar de bicicleta e de carrinho de rolimã (era o máximo!), já preenchia de forma natural, este “espaço da escola”.  Estas brincadeiras livres, que não têm normas rígidas, (como jogos de tabuleiro, por exemplo) promovem mais respostas criativas, ajudam na capacidade de resolver problemas e diminui o estresse, repercutindo positivamente na vida adulta formando pessoas que enfrentam situações de conflitos, dificuldades e frustrações com mais determinação.

Nada mais alegra os corações dos pais que verem seus filhos correndo, sorrindo, brincando e do outro lado, ter estes espectadores (os pais) ali assistindo suas performances, aplaudindo, participando; enriquecem e enchem de satisfações os corações dos filhos.  Essa relação tem uma enorme importância no desenvolvimento psicológico da criança, alimenta o processo de construção da identidade com dados de segurança, cumplicidade, pertencimento, auto estima, orientação.

A inteiração pais e filhos no “brincar juntos” infelizmente tem sido cada vez menos executada, por conta das correrias e cobranças do mundo contemporâneo de ambos. As agendas infantis estão superlotadas de afazeres, que a principal atividade de uma criança (que é brincar) está quase saindo da lista. _ “Você só pode brincar depois de terminar de fazer isso”, frase muito comum no cotidiano atual.

A brincadeira no universo infantil tem finalidade muito além de só divertimento e descontração. É uma ferramenta fundamental no desenvolvimento psicológico, como mencionado, pois é através dela que a criança expressa seus sentimentos,  compreende a realidade ao seu redor, tem contato com os diferentes papeis sociais, uma vez que simulando brincadeiras baseadas em situações do seu meio ambiente, aprende a lidar de forma segura com seus medos, incertezas e angustias; bem como propicia sua inserção em um contexto de socialização, pois permite desenvolver o sentido de cooperar, de dividir, de compartilhar, de espaço, de limite, de respeito, etc. sendo essas habilidades sociais importantes para ir estruturando sua visão de mundo, ou seja, a forma como ela vai se comportar em grupo.

O ato de brincar está em nossa vida desde o nascimento, de acordo com Winnicott, pediatra e psicanalista inglês, em um primeiro momento o bebê brinca com a mãe, esta se torna “playground do bebê”, depois passa a brincar consigo mesmo, a partir do reconhecimento de partes do seu corpo, ainda neste processo evolutivo, passa a brincar com objetos que carrega consigo, como os cheirinhos, bichinhos, cobertorzinhos, que na análise psicológica chamamos de objetos transicionais, depois vem o brincar simbólico, que é a fase do faz de conta e o brincar com outro e assim, a cada fase do desenvolvimento psicológico o ato de brincar vai se aprimorando, ficando cada vez mais criativo e fonte de aprendizado.

Agora… Sabe o que uma criança gosta mais que brincar?!!É brincar com os pais ou com um adulto e é uma pena que quando chegamos à vida adulta vamos deixando de lado esta práticaSim, a brincadeira também é muito importante para o bem-estar físico e psíquico do adulto, buscar se divertir, relaxar, mudar o foco das obrigações, exigências e cobranças do mundo adulto para atividades leves, desestruturadas, descontraídas, lúdicas, contribui para o bem estar como uma recarga das energias. Infelizmente, se este item está no final da lista ou quase desaparecendo da agenda da criança, na agenda do adulto ele nem é mais considerado, precisamos rever isso, de acordo com Mark Bekoff, biólogo evolucionista norte americano “gente grande que não se diverte está mais vulnerável ao efeito do estresse e ao risco de adoecimento”. Então, que tal o adulto reviver brincadeiras de sua infância e contar e/ou ensinar aos seus filhos, para que possam brincar juntos; aposto que eles ficarão encantados de conhecerem coisas desta fase da vida dos pais e por outro lado os pais, com certeza, ficarão revigorados.

Temos tantas responsabilidades no nosso dia a dia que sim, são importantes para o nosso crescimento intelectual, porém não podemos perder a capacidade de sorrir, de se alegrar, ou seja, de BRINCAR.

“… É no brincar, e somente no brincar, que o indivíduo, criança ou adulto, pode ser criativo e utilizar sua personalidade integral: e é somente sendo criativo que o indivíduo descobre o EU (Self)” Winnicott 1971/1975. Então, pare tudo que está fazendo agora e reserve um tempinho para esse momento em família!

Sobre Lúcia Maria Roberto:
Psicóloga, Especialista em Psicologia Clínica com ênfase em Psicopatologia e Psicossomática; Especialista em Psicologia Hospitalar; Mais de 25 anos de experiência na prática clínica com crianças, adolescentes e adultos com abordagem da psicanálise.
Quer receber mais artigos como esse? Cadastre-se e receba nossas novidades em seu e-mail!
Sobre o Lúcia Maria Roberto:
Psicóloga, Especialista em Psicologia Clínica com ênfase em Psicopatologia e Psicossomática; Especialista em Psicologia Hospitalar; Mais de 25 anos de experiência na prática clínica com crianças, adolescentes e adultos com abordagem da psicanálise.
Compartilhar:
Quer falar diretamente com seu público-alvo?
Anuncie aqui!
Nossos canais:
® São Paulo para Crianças é uma marca registrada. Todos os direitos reservados. - desenvolvido por Ideia74
Cadastre-se para ficar por dentro das novidades!