compartilhe
São Paulo
+16...+30° C

Hospital Santa Joana explica sobre a Febre Amarela

Por Rosana Richtmann - publicado em 10/11/2017

A cidade de São Paulo entrou em alerta após um exame detectar o vírus da febre amarela em um macaco encontrado morto no Horto Florestal. Por causa disso, muitas pessoas estão procurando postos de vacinação. As autoridades públicas responsáveis já estão realizando ações preventivas e é importante ressaltar que não há motivo para pânico, afinal, o Estado de São Paulo não apresenta nenhum “caso urbano” de febre amarela desde 1942.

Com profissionais atualizados com o que há de mais novo em vacinas para prevenir doenças infecciosas, o Centro de Imunização do Hospital e Maternidade Santa Joana é referência no meio. Por isso, para sanar possíveis dúvidas, a Dra. Rosana Richtmann, infectologista da instituição, responde aos principais questionamentos sobre a febre amarela e os cuidados da gestante e do bebê.


Como a doença é transmitida?

Muito comum na América do Sul e Central, além de alguns países da África, a Febre Amarela é uma arbovirose, ou seja, uma doença causada por um vírus da família Flaviviridae, a mesma da Dengue e do Zika e transmitido por meio da picada de mosquitos em áreas urbanas ou silvestres. A transmissão se dá exclusivamente pela picada dos mosquitos Haemagogus e Sabethes, no ciclo silvestre, e Aedes aegypti, no meio urbano. Uma pessoa não transmite a doença diretamente para outra.

Qual é a melhor forma de prevenção?

A principal medida preventiva é a imunização por meio da vacinação, que é altamente eficaz.

Quais são sintomas provocados pela febre amarela?

As manifestações mais leves da doença incluem febre alta de início súbito, calafrios, cansaço, dor de cabeça, dor muscular, náuseas e vômitos por cerca de três dias. Apesar de menos frequente, a forma mais grave da doença pode causar cansaço intenso, insuficiências hepática e renal, icterícia (olhos e pele amarelados) e hemorragias, podendo levar a morte.

Qual é o tratamento para a doença?

Ainda não existe um medicamento que atue diretamente no vírus, por isso, o paciente diagnosticado deve ser hospitalizado para tratar os sintomas com reposição de líquidos e monitoramento da atividade hepática e renal.

Quem deve tomar a vacina na cidade de São Paulo?

Nesse primeiro momento, a atenção está voltada para a população da Zona Norte da cidade, onde há maior possibilidade de contato com os mosquitos que transmitem a doença. As ações de prevenção devem ser aumentadas progressivamente ao longo dos próximos meses.

Existe alguma restrição?

Por se tratar de uma vacina de vírus vivo atenuado, existe um risco de complicações em pacientes mais vulneráveis. Fazem parte desse grupo gestantes, mães que amamentam bebes com menos de 6 meses de idade (pois existe risco de transmitir o vírus pelo leite), bebês com menos de 9 meses, pessoas imunodeprimidas em razão de doença ou tratamento e alérgicos à proteína do ovo.

De que forma as gestantes e demais pacientes vulneráveis podem se proteger?

Como primeira medida de segurança, esse grupo deve evitar as áreas de mata da cidade, especialmente a região do Horto Florestal. Caso isso não seja possível, existem algumas outras formas de se proteger:

  • Optar por roupas claras, pois cores vibrantes atraem o mosquito;
  • Usar manga comprida e calça comprida, cobrindo principalmente as pernas e os pés (pois os mosquitos costumam voar baixo);
  • Evitar o uso de perfumes – esse é outro fator que pode atrair os insetos;
  • Usar repelente diariamente – essa dica é especialmente importante para gestantes, para evitar outras doenças como Dengue e Zika;
  • No caso de bebês com menos de dois meses, quando o uso de repelente não é indicado, a recomendação é usar um mosquiteiro em volta do berço e manter o ambiente fechado e fresco;

Que complicações a doença pode ocasionar durante a gravidez? E para o bebê?

Como a resposta imunológica da mulher é modificada durante a gestação, muitas doenças infecciosas acabam sendo mais graves para gestantes. No caso da Febre Amarela, caso ocorra a manifestação grave da doença, os efeitos podem ser fatais, tanto para mãe quanto para o bebê. Diferentemente de doenças como o Zika, não há nenhuma indicação científica que a febre amarela durante a gravidez cause sequelas ou problemas congênitos ao bebê.

Quem já é vacinado precisa repetir a dose?

Não é necessário. Segundo orientação da Organização Mundial da Saúde (OMS), no Brasil adotamos a dose única da vacina.

Sobre Rosana Richtmann:
Possui graduação em Medicina pela Faculdade de Ciencias Médicas de Santos(1984), especialização pelo Instituto de Medicina Tropical de São Paulo(1987) e doutorado em Epimiologia hospitalar pela ALBERT-LUDWIGS- UNIVERSITAT FREIBURG -(1990). Atualmente é Médica da CCIH do Instituto de Infectologia Emilio Ribas, Presidente da CCIH e Diretora científica do Centro de Imunização do Hospital e Maternidade Santa Joana.
Quer receber mais artigos como esse? Cadastre-se e receba nossas novidades em seu e-mail!
Sobre o Rosana Richtmann:
Possui graduação em Medicina pela Faculdade de Ciencias Médicas de Santos(1984), especialização pelo Instituto de Medicina Tropical de São Paulo(1987) e doutorado em Epimiologia hospitalar pela ALBERT-LUDWIGS- UNIVERSITAT FREIBURG -(1990). Atualmente é Médica da CCIH do Instituto de Infectologia Emilio Ribas, Presidente da CCIH e Diretora científica do Centro de Imunização do Hospital e Maternidade Santa Joana.
Compartilhar:
Quer falar diretamente com seu público-alvo?
Anuncie aqui!
Nossos canais:
® São Paulo para Crianças é uma marca registrada. Todos os direitos reservados. - desenvolvido por Ideia74
Cadastre-se para ficar por dentro das novidades!