compartilhe

Dar ou não mesada? Saiba o momento ideal para começar

Por Reinaldo Domingos - publicado em 08/03/2018

Dar ou não mesada? A partir de que idade? Como estabelecer o valor? ao contrário do que muita gente pensa, a mesada não é um incentivo ao consumismo; na verdade, é uma importante ferramenta para educar financeiramente crianças e jovens. Aproveitando o período de volta às aulas, em que o consumo tende a fazer parte da rotina, é importante esclarecer dúvidas como essas.

A data de adoção de cada tipo de mesada depende do interesse e do entendimento que a criança está demonstrando ter em relação ao uso do dinheiro. Por volta dos sete ou oito anos é um bom momento, pois ela já possui vontades e sabe que para ter um produto ou serviço é necessário “trocá-lo” por dinheiro e possuem entendimento suficiente para começar a aprender a administrar esse recurso.

Esse assunto deve ser tratado de forma leve e lúdica, sem imposições ou ameaças, para não exigirmos mais das crianças do que elas estão assimilando. Cada criança e jovem tem um comportamento particular, portanto é importante lidar com seu filho da forma mais adequada.

O valor depende do que os pais observam ser o consumo rotineiro da criança, observando sempre se os seus hábitos são saudáveis e de que forma ela gasta o dinheiro que recebe. O período de volta às aulas é bastante indicado, já que a criança ou o jovem podem começar esse novo ciclo com novos hábitos, reconhecendo a importância de consumir com consciência e de poupar para os seus sonhos.

O ideal é que metade do valor corresponda ao que criança gaste no mês e explicar que a outra metade vocês irão investir nos sonhos de curto prazo (que será realizado em até um mês), médio prazo (em até seis meses) e longo prazo (até um ano), que ela mesma vai definir.

Além de oferecer noções de responsabilidade, a mesada também pode – e deve – ser associada a questões como sustentabilidade, meio ambiente, consumo consciente e outros temas que auxiliam na boa formação do indivíduo, auxiliando, assim, na formação de uma sociedade mais consciente financeiramente no futuro.

Escrevi o livro Mesada não é só dinheiro – Conheça os 8 tipos e construa um novo futuro (Editora DSOP), em que explico 8 tipos de mesada, diferentes formas de relacionar o dinheiro à realidade familiar de forma proveitosa para todos. São eles:

  • Mesada voluntária
  • Mesada financeira
  • Mesada de terceiros
  • Mesada econômica
  • Mesada empreendedora
  • Mesada ecológica
  • Mesada de troca
  • Mesada social

No entanto, um ponto que ressalto sempre é que, antes de transmitir esse conhecimento aos filhos, que os pais/responsáveis prestem bastante atenção ao exemplo que andam dando no dia a dia. Os pequenos se espelham nas ações dos adultos e têm a tendência a repetir tanto as coisas boas quanto os erros. Por isso, a educação financeira é algo que tem que ser absorvida por toda a família, não importa a idade.

Sobre Reinaldo Domingos:
Está a frente do canal Dinheiro à Vista. É Doutor em Educação Financeira, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin – www.abefin.org.br) e da DSOP Educação Financeira (www.dsop.com.br). Autor de diversos livros sobre o tema, como o best-seller Terapia Financeira.
Quer receber mais artigos como esse? Cadastre-se e receba nossas novidades em seu e-mail!
Sobre o Reinaldo Domingos:
Está a frente do canal Dinheiro à Vista. É Doutor em Educação Financeira, presidente da Associação Brasileira de Educadores Financeiros (Abefin – www.abefin.org.br) e da DSOP Educação Financeira (www.dsop.com.br). Autor de diversos livros sobre o tema, como o best-seller Terapia Financeira.
Compartilhar:
Quer falar diretamente com seu público-alvo?
Anuncie aqui!
Nossos canais:
® São Paulo para Crianças é uma marca registrada. Todos os direitos reservados. - desenvolvido por Ideia74
Cadastre-se para ficar por dentro das novidades!