compartilhe
São Paulo
+16...+30° C

A reforma do Ensino Médio e o aluno como ator principal

Por Eduardo Mufarej - publicado em 29/03/2017

A reforma do Ensino Médio no Brasil é pauta mais do que urgente. Mais alarmante até do que o não cumprimento das metas do Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica) para a etapa, pela segunda vez consecutiva, são os números absolutos de evasão escolar. Os cerca de 1,3 milhão de estudantes que deixam a escola entre os 15 e 17 anos, todos os anos, são a comprovação dessa necessidade de correção de rota.

O Ensino Médio precisa refletir a sociedade e o tempo em que os alunos estão inseridos. Um currículo transversal e vocacional, com aprofundamento em temas voltados para as aptidões de cada aluno, que dialogue com a vida real são conceitos aplicados em grande parte do mundo desenvolvido. Esse é o tipo de evolução que o Brasil não pode mais esperar.

É miopia imaginar que um currículo generalista seja o melhor caminho. Ao contrário, tal medida deixa de potencializar individualidades que, trabalhadas desde cedo, podem preparar melhores cidadãos e profissionais. Além disso, muito densa e ultrapassada, a carga de disciplinas atual pode até desestimular estudantes e contribuir para a evasão.

O aluno precisa ser o ator principal de suas escolhas educacionais. Precisa encontrar entre suas opções o caminho e as ferramentas que melhor pavimentem suas decisões. Precisa ter tempo nas instituições de ensino e professores que possam se dedicar integralmente aos centros de ensino em que lecionam.

Muito se discute sobre o uso de uma Medida Provisória como forma de implementar essa mudança. Todavia, não podemos perder de vista o que há de mais importante nela, a sinalização, ao Legislativo e à sociedade, quanto à urgência de agirmos.

É evidente que ainda há espaço para discussão, e os 120 dias que o Congresso terá para votar e apreciar as medidas propostas podem cumprir esse papel. As mudanças subsequentes do texto que for aprovado levarão, também, tempo para serem colocadas em prática.

Independentemente disso, o que não se pode mais tolerar, de modo algum, é a manutenção do atual cenário, no qual os estudantes são privados de aprender e exercer o que têm de melhor, por falta de um ambiente que os incentive de maneira correta e lhes proporcione as melhores possibilidades.  O Brasil não pode mais desperdiçar gerações por caprichos e vontades, a hora é de agir.

Precisamos deixar a inércia. O caminho será longo, mas estamos entusiasmados para ajudar a construir uma nova realidade.

Sobre Eduardo Mufarej:
Administrador de empresas, presidente da SOMOS Educação (antiga Abril Educação), maior companhia de educação básica do país, presente em diversos segmentos – editoras, escolas, sistemas de ensino básico e técnico, cursos preparatórios para concursos e ensino de idiomas. Detentora de grandes marcas como Ática, Scipione, Saraiva, Anglo, pH e Red Balloon, entre outras.
Quer receber mais artigos como esse? Cadastre-se e receba nossas novidades em seu e-mail!
Sobre o Eduardo Mufarej:
Administrador de empresas, presidente da SOMOS Educação (antiga Abril Educação), maior companhia de educação básica do país, presente em diversos segmentos – editoras, escolas, sistemas de ensino básico e técnico, cursos preparatórios para concursos e ensino de idiomas. Detentora de grandes marcas como Ática, Scipione, Saraiva, Anglo, pH e Red Balloon, entre outras.
Compartilhar:
Quer falar diretamente com seu público-alvo?
Anuncie aqui!
Nossos canais:
® São Paulo para Crianças é uma marca registrada. Todos os direitos reservados. - desenvolvido por Ideia74
Cadastre-se para ficar por dentro das novidades!